Fotografo: Reprodução
...
Arlyson Souza, suspeito e Winglya Lopes, vítima.

Arlyson Ferreira de Souza, de 29 anos, principal suspeito de ter cometido o crime de homicídio e ocultação de cadáver contra sua  ex-companheira, Winglya Lopes Aboim, de 25 anos, que desapareceu no dia 9 de Maio de 2019, tinha contra si um mandado de prisão temporária em aberto, solicitada pela Delegada da Polícia Civil de Itaituba, Dra. Géssica Araruna.

Após uma pesquisa realizada no site do Tribunal da Justiça do Pará-TJPA, se constatou a revogação da prisão temporária contra Arlyson e também a retirada do sigilo do processo judicial.

A prisão foi revogada no dia 16/10/19, através de uma Decisão Interlocutória (No ordenamento jurídico brasileiro, é um dos atos processuais praticados pelo juiz no processo, que, conforme art. 203, § 2º do novo Código de Processo Civil, decide uma questão incidente sem resolução do mérito, isto é, sem dar uma solução final à lide proposta em juízo).

Prisão temporária, § 7° Decorrido o prazo de cinco dias de detenção, o preso deverá ser posto imediatamente em liberdade, salvo se já tiver sido decretada sua prisão preventiva.
A decisão foi proferida pelo juiz de Direito, respondendo pela Vara Criminal de Itaituba Dr. Liberio Henrique de Vasconcelos, após três pedidos da defesa de Arlyson Souza. O Ministério Público se manifestou favorável, porém, fez algumas ressalvas pontuais, como não poder sair do país e informar o atual endereço à justiça. 
Desaparecimento 
 
Winglya Aboim Lopes, de 25 anos, desapareceu misteriosamente no dia 9 de Maio deste ano. Após o desaparecimento da jovem ter sido comunicado na delegacia de polícia de Itaituba, familiares, amigos e policiais militares e civis começaram então  a realizar buscas pela jovem.
 
Vítima e suspeito.
Arlyson, ex-marido, ainda chegou a falar sobre o desaparecimento da jovem, dizendo que ela teria saído de casa localizada no Campo Belo, em Itaituba, durante a noite do dia 09 de maio, por volta de 01h, com certa quantidade em dinheiro que teria pego de sua carteira, todavia, nunca deu um depoimento oficial sobre o caso. Ele chegou a ser comunicado através de seu advogado, porém não compareceu.
 
Ossada encontrada 
 
Crânio encontrado.
Ninguém sabia do paradeiro da jovem, porém, dia 13 de Junho de 2019, uma ossada uma humana foi encontrada as margens da Rodovia Transamazônica BR-230, aproximadamente uns 30 metros dentro da mata, entre os km 85 e 90, nas proximidades da Comunidade Vila Raiol, entre os municípios de Itaituba e Jacareacanga, com algumas características, como roupa, cabelo e arcada dentaria que poderiam ser da jovem.

A ossada foi removida pelo Instituto Médico Legal (IML) e foi feito um DNA que confirmou, através do resultado divulgado no dia 11 de Julho, que ossada humana era realmente da jovem Winglya.
 
Contramandado de prisão
 
A reportagem do Blog do Junior Ribeiro teve acesso ao Contramandado de prisão de Arlyson. O espaço está aberto para qualquer pessoa envolvida na reportagem. 
 

 

Arlyson Ferreira de Souza, de 29 anos, principal suspeito de ter cometido o crime de homicídio e ocultação de cadáver contra sua  ex-companheira, Winglya Lopes Aboim, de 25 anos, que desapareceu no dia 9 de Maio de 2019, tinha contra si um mandado de prisão temporária em aberto, solicitada pela Delegada da Polícia Civil de Itaituba, Dra. Géssica Araruna.
 
 
Arlyson Souza, suspeito e Winglya Lopes, vítima.
Após uma pesquisa realizada no site do Tribunal da Justiça do Pará-TJPA, se constatou a revogação da prisão temporária contra Arlyson e também a retirada do sigilo do processo judicial.

A prisão foi revogada no dia 16/10/19, através de uma Decisão Interlocutória (No ordenamento jurídico brasileiro, é um dos atos processuais praticados pelo juiz no processo, que, conforme art. 203, § 2º do novo Código de Processo Civil, decide uma questão incidente sem resolução do mérito, isto é, sem dar uma solução final à lide proposta em juízo).

Prisão temporária, § 7° Decorrido o prazo de cinco dias de detenção, o preso deverá ser posto imediatamente em liberdade, salvo se já tiver sido decretada sua prisão preventiva.
 
A decisão foi proferida pelo juiz de Direito, respondendo pela Vara Criminal de Itaituba Dr. Liberio Henrique de Vasconcelos, após três pedidos da defesa de Arlyson Souza. O Ministério Público se manifestou favorável, porém, fez algumas ressalvas pontuais, como não poder sair do país e informar o atual endereço à justiça. 
 
Desaparecimento
 
Winglya Aboim Lopes, de 25 anos, desapareceu misteriosamente no dia 9 de Maio deste ano. Após o desaparecimento da jovem ter sido comunicado na delegacia de polícia de Itaituba, familiares, amigos e policiais militares e civis começaram então  a realizar buscas pela jovem.
 
Vítima e suspeito.
Arlyson, ex-marido, ainda chegou a falar sobre o desaparecimento da jovem, dizendo que ela teria saído de casa localizada no Campo Belo, em Itaituba, durante a noite do dia 09 de maio, por volta de 01h, com certa quantidade em dinheiro que teria pego de sua carteira, todavia, nunca deu um depoimento oficial sobre o caso. Ele chegou a ser comunicado através de seu advogado, porém não compareceu.
 
Ossada encontrada 
 
Crânio encontrado.
Ninguém sabia do paradeiro da jovem, porém, dia 13 de Junho de 2019, uma ossada uma humana foi encontrada as margens da Rodovia Transamazônica BR-230, aproximadamente uns 30 metros dentro da mata, entre os km 85 e 90, nas proximidades da Comunidade Vila Raiol, entre os municípios de Itaituba e Jacareacanga, com algumas características, como roupa, cabelo e arcada dentaria que poderiam ser da jovem.

A ossada foi removida pelo Instituto Médico Legal (IML) e foi feito um DNA que confirmou, através do resultado divulgado no dia 11 de Julho, que ossada humana era realmente da jovem Winglya.
 
Contramandado de prisão
 
A reportagem do Blog do Junior Ribeiro teve acesso ao Contramandado de prisão de Arlyson. O espaço está aberto para qualquer pessoa envolvida na reportagem. 
 

Junior Ribeiro