Fotografo: Fábio Guimarães
...
‘Rapaz era de família’

Um dia após o sargento Carlos Fernando Dias Chaves confundir um macaco hidráulico com uma arma e matar dois jovens na Pavuna, Zona Norte do Rio, um colega de batalhão do PM afirmou, numa ligação telefônica, que o praça “estava trabalhando com ódio”. Num diálogo entre dois agentes do 41º BPM (Irajá) interceptado com autorização da Justiça no dia 30 de outubro de 2015 — os crimes aconteceram no fim da tarde do dia 29 — , um dos policiais, ao comentar os homicídios, afirmou que o sargento “ficava falando que ia matar, matar e com isso deixou de ser profissional” e que “qualquer um que ele pegasse, ia matar”.

As escutas, obtidas com exclusividade pelo EXTRA, fazem parte de um Inquérito Policial Militar (IPM) que investiga o recebimento de propinas por PMs do 41º BPM na época dos assassinatos dos mototaxistas Thiago Guimarães Dingo e Jorge Lucas Martins Paes. No diálogo, um oficial do batalhão, que teve seu sigilo telefônico quebrado, pergunta a um praça como a ação aconteceu.

O policial responde que os demais PMs que patrulhavam o local na ocasião “disseram para o Carlos Fernando não atirar, eles gritaram para não atirar, dizendo ‘ninguém atira, não atira, não é arma’”. Em seguida, o PM completa: “O Carlos Fernando mirou e atirou e ninguém entendeu nada”. Quatro anos depois, o sargento ainda não foi julgado nem preso pelos crimes — o processo contra ele segue em andamento na 4ª Vara Criminal da capital.

Durante a conversa, o policial também afirma que o sargento tentou fugir do local do crime: “Carlos Fernando foi até o rapaz e, ao verificar que estava morto, disse para ‘meter o pé’”. Em interrogatório no Tribunal de Justiça, Carlos Fernando afirmou que confundiu um macaco hidráulico que um dos jovens carregava na garupa da moto com uma submetralhadora. No depoimento, o sargento acusou os jovens de fazerem “disque drogas” e disse que só atirou porque pensou que sua equipe estava “em iminente perigo”.

‘Rapaz era de família’

Durante o diálogo interceptado, um dos policiais diz, ao descrever o homicídio, que uma das vítimas “tinha 16, 17 anos, trabalhador, com mãe e pai ali mostrando que o rapaz era de família”. No momento em que foram assassinados, Thiago Dingo, de 24 anos, e Jorge Lucas Paes, de 17, estavam a caminho de uma oficina mecânica. Eles pretendiam devolver um macaco hidráulico que pegaram emprestado para ajudar um conhecido a consertar uma Kombi quebrada.

Um dos jovens, Thiago, havia acabado de saber que seria pai. Comprou enxoval, desistiu do curso de informática que fazia e passou a dobrar o horário de trabalho. Ele não viu Alice nascer, 50 dias depois do crime.

Sem três dedos do pé

Um ano e dois meses antes de matar os mototaxistas, Carlos Fernando foi atingido por um tiro de fuzil no pé esquerdo disparado por um traficante durante uma operação no Chapadão. Foi operado e teve três dedos do pé decepados. Após oito meses afastado da corporação, o sargento foi considerado apto a voltar ao patrulhamento pela Junta Médica da PM. “Eu trabalho sem metade do pé”, disse Carlos Fernando, em audiência na Justiça.

 

Jorge Lucas Martins Paes, de 17 anos, e Thiago Dingo Guimarães: mortos em blitz

Jorge Lucas Martins Paes, de 17 anos, e Thiago Dingo Guimarães: mortos em blitz

 

Durante sete anos, Carlos Fernando foi policial do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Desde 2010, estava lotado no 41º BPM, onde integrava o Grupamento de Ações Táticas (GAT), formado por agentes com perfil mais operacional. Em juízo, vários policiais do 41º BPM descreveram Carlos Fernando como “aguerrido”, “proativo”, “com ímpeto de proteger a sociedade”.

Licença médica

Atualmente, o sargento está de licença da corporação para tratamento de saúde. Antes, ele já havia sido transferido do 41º BPM — onde trabalhava desde 2010 no Grupamento de Ações Táticas (GAT), formado por agentes com perfil mais operacional — e só trabalhava em atividades burocráticas no 39º BPM (Belford Roxo).

A PM do Rio tem um histórico de casos em que agentes confundem outros objetos com armas. O mais recente é o da menina Ágatha Vitória Sales Félix, de 8 anos, morta por um tiro disparado por um policial militar no Morro da Fazendinha, no Complexo do Alemão.

 

Gilberto Lacerda visita o túmulo do filho, no Cemitério de Irajá, todo mês, sempre no dia 29

Gilberto Lacerda visita o túmulo do filho, no Cemitério de Irajá, todo mês, sempre no dia 29 Foto: Leo Martins / léo martins

 

De acordo com a Polícia Civil, o PM deu um “tiro de advertência” para forçar a parada de dois homens que estavam em uma motocicleta. O agente alegou que um dos homens portava uma arma. No entanto, segundo testemunhas, o objeto que ele segurava era uma esquadria de alumínio.

Em setembro do ano passado, o garçom Rodrigo Serrano, 26 anos, foi morto no Chapéu-Mangueira, em Copacabana, por um PM que, segundo testemunhas, confundiu o guarda-chuva que o homem segurava com um fuzil. Até hoje, o caso segue sob investigação.

Em 2010, no Andaraí, um policial do Bope matou um morador depois que confundiu uma furadeira com uma arma. Dois anos depois, o agente foi absolvido do crime.